O Xadrez por Analogia.

CB007150XADREZ COMO ESPORTE:

            Ao final de uma partida de xadrez poderemos ter um vencedor e um perdedor ou, um empate; configurando assim a característica de jogo/esporte ao xadrez.

Da mesma forma que o futebol, vôlei ou basquete possuem seus ídolos, o xadrez também os tem, são estes os profissionais. Podemos citar o brasileiro Giovani Vescovi Grande Mestre Internacional (com um título de Campeão Mundial de Categoria) e o conhecido Campeão Mundial Garri Kasparov que, com certa regularidade é motivo de matéria para mídia mundial toda vez enfrenta um novo programa de xadrez em um grande lançamento de hardware de última geração.

Tal qual as outras modalidades existem competições de xadrez organizadas nos diversos níveis técnicos existentes. Atualmente, a escolar esta cada vez mais tomando proporções gigantescas. Isto vem acontecendo à medida que o xadrez vem sendo inserido nos currículos escolares, seja como disciplina, educação física e/ou prática optativa. Dessa forma o xadrez vem concorrendo de igual pra igual com o com as outras modalidades esportivas já desenvolvidas na escola. Assim como nos principais paises integrantes no Primeiro Mundo, as escolas do Brasil há algum tempo começaram a reconhecer a excelente ferramenta pedagógica que é o xadrez.

XADREZ COMO ARTE:

            Assim como o Basquete ou no futebol, existe a plástica de um belo movimento concluindo com a cesta ou gol, sendo a intensidade desta proporcional a criatividade do atleta, de igual forma ocorre com no xadrez. A combinação de jogadas, a estratégia e a tática combinadas à criatividade proporcionam ao praticante e ao espectador a emoção estética, tal qual, ocorre nas outras modalidades. Existem partidas jogadas por grandes jogadores da História Mundial do Xadrez que figuram entre os praticantes como um quadro de Picasso ou um gol de bicicleta do Pelé.

XADREZ COMO CIÊNCIA:

            Da mesma forma que o progresso corre junto à ciência, sempre acompanhado do espírito investigativo e de estudo, o xadrez se desenvolve de maneira semelhante. Para ocorrer o desenvolvimento técnico do enxadrista além de praticar ele deverá estudar.

            Ao jogar uma partida de xadrez, o enxadrista busca saber o que poderá ocorrer a uma dada ação sua com relação à resposta do adversário e, por assim dizer, exercita o cálculo, aproximando o xadrez a ciência.

Existem determinadas Aberturas (saídas para os leigos) combinadas a determinadas Defesas que atingiram estudo teórico (melhoras jogadas) de aproximadamente 20 lances! Neste caso especifico exige um estudo mais pormenorizado por parte do enxadrista, tal qual, outras áreas da ciência onde gradativamente conclusões advindas de exaustivas pesquisas e experiências conduzem ao estágio de desenvolvimento mais avançado.

EM FIM:

            Mais do que o esporte, arte ou a ciência poderiam nortear a prática deste interessante e milenar jogo, é inegável o valor de atividade de educacional que o mesmo tem a contribuir dentro da escola, desde que conduzido por Professores capacitados, ou mesmo como atividade de lazer, integrando gerações que de outra forma seria difícil encontrar um ponto em comum; como um neto jogando xadrez com seu avô!

XADREZ POR ANALOGIA