JASC 1997 – Meu Primeiro Regional – 1ª Rodada


Depois de jogar os JASC de 1996, etapa final em São Bento do Sul com um bom resultado e em boas partidas frente a conhecidos e fortes adversários (Luiz Ney Menna Barreto, Haroldo Cunha, Marco Zaror, Rodrigo Fontana, Kleber Zimmermann, Winston Mello e Walter) tive a oportunidade jogar noutra equipe.

Naquele ano Rio Negrinho montará uma equipe a partir do Croife que convidou o Jorge Godóis que por sua vez me convidou para jogar e aceitando convite eu mesmo convidei o André Freitas para completar uma equipe que seria fortissíma!

Um parentese aqui: por coincidência fui contratado pelo SESI de Rio Negrinho em agosto daquele ano para trabalhar na parte de adminstração esportiva.

Haviam seis equipe neste regional (Rio Negrinho, Blumenau, São Bento do Sul, Brusque, Balneário e Itajai) e na hora de montarmos a escalação foi consenso que para classificarmos deveríamos ter o seguinte escore: o quarto tabuleiro fazer  100%,  o terceiro 90%, o segundo 80% e o “termometro seria o primeiro.

Após o sorteio do sistema shuring que seria adotado, as rodadas ficaram todas “invertida” do ponto de vista para quem gostaria de enfretar os fortes apenas no final. Na primeira rodada enfrentamos Blumenau, na segunda São Bento do Sul e Blumenau jogou com São Bento do Sul na terceira.

Fizemos 2×2 com Blumenau na primeira, vencemos São Bento do Sul por 3×1 na segunda e Blumenau empatou em 2×2 com São Bento do Sul na terceira enquanto vencíamos por 4×0 de Itajaí. Cálculos feitos: caso fizéssimos 4×0 na quarta com Balneário precisaríamos de 3 x1 na última rodada com Brusque para ficar em primeiro e com a única vaga! Isso tudo baseado num critério altamente discutivel aplicados nos JESC: exclusão do adversário do pior grupo de pontuação.

Campeão Regional dos JASC por Equipe.
Campeão Regional dos JASC por Equipe.

Vencemos por 4×0 Balneário e na última rodada, após a vitória minha e do Freitas, o Godóis empatou e o Croife empatou a muito custo e de má vontade com o adversário que já teria aceito muito facilmente, a final, ele era Campeão Brasileiro e empatar com ele seria um grande resultado.

As passagens que mais lembro deste torneio:

1-O Charles ficou ganho até que rapidamente na partida com o Adalto, ficou relaxado de mais e inclusive sentado com as pernas cruzadas de lado em frente ao seu tabuleiro enquanto o Adalto era só concetração; o Adalto encontrou uma sequência em que não só recuperava o peão mas ficaria com 2  a mais! Foi aí então que o adversário sentou de frente para o tabuleiro com as mãos sobre o rosto em puração concentração…não adiantou.

2-Na mesma rodada ainda com São Bento do Sul, o Horst enfrentava o Edward Gauche numa partida que durou 4 horas (o tempo de reflexão era de uma hora para 23 lances mais uma nocate). O ping foi algo pavoroso, onde peças no ar, mates, peças a mais para uma lado e para o outro não decidiram a partida. Do lado de fora um componente da equipe tinha espasmos musculares na face e puxava os próprios cabelos. No final Horst venceu e deu 2×2.

3-Após a terceira rodada com o 2×2 de BLU e SBS, eu vi e presenciei pela primeira vez o Menna alterado e dando uma “babada” e lição de moral e toda a sua equipe, tendo toda a absoluta razão e falando com toda propriedade.

4-Da velocidade que o Croife perdeu para o Charles na primeira rodada; 12 lances!? No minimo, estranho para um Campeão Brasileiro Sub 18.

5-Da relutância do Croife em empatar a partida na última rodada e assegurar o título e a vaga para as finais dos JASC.

6-Do anúncio, após a premiação por parte do Croife de que Charles e Menna jogariam as finais conosco. Não haviam recursos para isso e tanto eu quanto Freitas e Godóis no perguntamos: -no lugar de quem? Claro que seria ótimo tê-los em nossa equipe, penso que poderíamos até ser Campeões com eles. Após a dispensa do Croife pela cidade jogamos Eu, Godóis e Freitas mais dois amigos que embora jogavam bem, não estavam no mesmo nivel e ainda o pior, o Freitas não conseguiu jogar a primeira rodada. Terminamos em quinto lugar nas finais estando um ponto atras do terceiro colocado, praticamente jogando com três!

7-Tentamos fotografar o amigo Godóis sem boné no alojamento ao longo dos três dias, porém, após inúmeras tentivas frustradas, em todos os horários e situações possíveis, desistimos.

No regional eu joguei como quarto tabuleiro fazendo 100%, o Godóis como terceiro tabuleiro fez 90%, Freitas como segundo fez 80% e o Croife como primeiro fez 50%.

Gilson, Sperb, Luiz Hamiltom, Freitas, Croife e Godóis
Gilson, Sperb, Luiz Hamiltom, Freitas, Croife e Godóis

A posição abaixo resulta de minha partida da primeira rodada, na manhã do sábado. Esta partida foi dura, pois, estava com uma dor de cabeça/enxaqueca que após misturada com café e chocolate só piorou. Após a abertura baseada na mesma partida que joguei com o Charles em Porto Alegre no Mercado Público em que após ficar empatado o Charles forçou e ficou perdido mas foi salvo pelo tempo e que tive de empatar.

O meu adversário jogou 11. Ca4 e então pensei: acabou! Foram 45 minutos para fazer o lance e a partida acabar após 19 lances. Evidentemente ele não fez as melhores escolhas, que levariam a partida mais longe. Nem mesmo o Fritz encontra de primeiro o lance e o Rybka embora encontre mais rapidamente, leva tempo para avaliar melhor o lance que começa com 0.43 e vai até 0.63 e daí para diante demora muito para ver o todo que caberia outra pontuação.

Pretas jogam e vencem.
Pretas jogam e vencem.