História do Xadrez Santamariense – 1995 – Semifinal do Campeonato Gaucho Absoluto em Novo Hamburgo


Sempre joguei a semifinal com objetivo de classificar e esta não foi diferente. Ainda no sábado a noite, sob a presença do árbitro, propus ao meu adversário um empate antecipado para que ambos classificarem e tivessem a oportunidade de curtir Novo Hamburgo. Ele não aceitou. Eu; fui dormir cedo e ele, foi pra festa. Chegou faltando 5 minutos no relógio tendo que fazer 23 lances e propôs empate; que imediatamente recusei e respondi seu e4 com uma complicada Alekhine que trouxe o ponto inteiro sendo jogada ao toque, mas muito mais confiante na boa noite de sono que tive!!

Lembranças: Miguel tinha classificado para a final em 94, mas na última partida mesmo com posição melhor não teve êxito, creio que o cansaço pelo ele de jeito na rodada da manha do domingo.

SF-GAUCHO-NOVO_HAMBURGO

História do Xadrez Santamariense – 1995 – Jogos Universitários


Nada de especial que marcou este, mas teve um outro que em o Prado ficou ficou Campeão e comigo e o Ritzel seguidos, todos com 4 pontos, num torneio com 27 participantes, creio.

A sala, na última rodada ficou quase vazia por uma situação inusitada: Ritzel estava saindo campeão ao conduzir um posição com vários peões e dama contra vários peões e cavalo contra o Prado que insistia em continuar! São feitos vários lances e o Ritzel ia fazendo a limpa do tabuleiro, quando então, Prado leva a mão a boca da um risadinha e anuncia: DUPLO! Todos saíram da sala e voltaram só depois de alguns minutos…

Ah, o Batista jogou este também!!UFSM

História do Xadrez Santamariense – 1993 – Torneio em Porto Alegre


Este torneio foi um show em quase todos os sentidos, salvo minha atuação que de longe não me agradou nada, certamente faltava experiência e algo mais. Fiquei jogando entre as mesas 30 e 60; foi ruim.

O torneio era organizado pelo General Rotta, Aberto Gastão da Cunha, com direito a um grande almoço no domingo e coquetel junto a premiação, ou seja, ninguém sai tão triste assim, pois, afogava as magoas de uma mal torneio entre canapés e vinho servidos ao final.

Fui ao evento junto com o Moro e ficamos na casa do estudante junto com Tarrago e o Ado. No sábado a noite o Moro fez uma lentilha e, meio pings e vinho.

Uma lembrança engraçada foi mestre o Mestre Daniel Diano literalmente levantar o Moro, abraçando, ao comemorar como uma criança a vitória sob o Gilberto Klein, situação até então taxada pelo Mestre como “touca”, pois, nunca tinha vencido.

Outra lembrança foi do amigo Ughi Cartana que naquele torneio não estava fazendo boas partidas e foi parar quase na última mesa e, segundo ele, teve que conviver com alguns cometários nada técnicos de seus adversários e “vizinhos” de mesa como: “aqui tu dobrava as torres e estrava com tudo”!

Fiz uma partida interessante com o amigo Miranda: entramos numa complexa luta pela vitória com torre e cavalo com vários peões em duas ilhas. Chamamos a atenção de todos a volta, visto a velocidade e precisão com que conduzíamos a posição! Após uma sequência precisa de mais de 30 lances, resolvi respirar e pensar por um minuto me advertindo que tudo ao toque pode levar a um erro…pois foi exatamente o que consegui ao parar de jogar ao toque; levei um duplo! O grande grupo que assistia o “show” dispersou em segundos!!

Ah, na época joguei com o amigo Calleros!! Ganhei um boton da CBX e jogamos uma partida muito estranha, onde, reciprocamente haviam ameças de bispos contra torres, mas ninguém as capturava!POA-1993

História do Xadrez Santamariense – 1995 – Torneio em Venâncio Aires


Este torneio eu estava jogando bem, mas o que estragou foi depois de ter dois peões a mais contra um forte adversário na terceira rodada, simplesmente errar todo o resto da partida sob os olhos atentos do Ritzel.

Lembro também que resolvi chegar antecipadamente ao evento, sendo assim, fui de ônibus, em vez de ir no dia junto com Miguel e o Ritzel. No dia do evento eles acabaram por pegar uma chuva muito forte durante a viagem e chegaram atrasados ao torneio, pois, rodaram na pista e sofreram uma acidente. O susto foi maior do que qualquer machucado. O Miguel relatou que por pouco não perdeu sua carteira que já seguia em um córrego ao lado da estrada.

Me recordo também de um dos maiores frios que enfrentei em todos os tempos…da minha vida! Uma das opções foi usar mais um colchão para se cobrir! VENANCIO_AIRES