Arquivo da categoria: Crônicas de Xadrez

Teria sido Bobby Fischer ??


Bobby Fischer played Fischer Random with Susan Polgar
Bobby Fischer jogando com Susan Polgar o “Random Chess”.

255px-Bobby_Fischer_cropped

“No final dos anos 1990 surgiu no ICC (Internet Chess Club) um jogador anônimo que superou muitos dos melhores jogadores do mundo em jogos relâmpago de 3 minutos, e rapidamente se disseminaram os boatos de que este jogador poderia ser Bobby Fischer. Nada ficou comprovado e até hoje não se sabe quem foi este jogador, mas um episódio envolvendo o vice-campeão mundial Nigel Short foi bastante marcante. Short havia sido informado sobre estas “aparições”, mas não as levava a sério, até que em certa ocasião foi convidado por um guest para uma partida. Ele aceitou e o guest começou a jogar lances exóticos e passear com o Rei pela frente dos Peões logo nos primeiros lances. Porém, repentinamente, depois de intencionalmente ter degradado muito a própria posição, o guest passou a jogar lances fortíssimos e o venceu. Jogaram várias outras partidas, e em todas elas o guest passeava com o Rei, deteriorava a própria posição, e depois começava a jogar ‘para valer’ e vencia. Ao relatar o episódio, Short apresenta vários motivos para ter concluído que de fato foi Fischer quem o venceu daquela maneira. Short comentou que há alguns meses ele havia empatado em 12×12 um match relâmpago contra Kasparov, portanto não havia muitas pessoas no mundo que pudessem vencê-lo por 7×0 ou algo assim, sobretudo iniciando o jogo com handcap de roque e vários lances a mais, aliás, provavelmente só uma pessoa poderia ter feito isso: Bobby Fischer.”

I – Histórias de Xadrez e um pouco mais…Pedro e a Multiplicação dos Cavalos!


 O Pedro é uma destas figuras singulares que você encontra vez ou outra no decorrer da vida. Estudante de engenharia, não se sabe a quantos anos e que não tinha previsão da formatura.

Durante muito tempo o Departamento de Xadrez do Clube Comercial o teve como assíduo frequentador –quando eu mesmo ainda não sabia o que era xadrez. Mais tarde, com certa regularidade pude desfrutar da sua presença, jogávamos algumas partidas e assistíamos outras. Depois ele sumia, para de tempos em tempos, aparecer novamente.

O “Seu Davi” merece com certeza um capítulo á parte e que, certamente, nos reportaremos a Ele várias vezes.

Uma das características do Pedro era “sacanear” e/ou tirar sarro com o pessoal, mas com “Seu Davi” ele o fazia com muito respeito e extrema técnica.

Em meio a outros tabuleiros e peças dispostas lado a lado na pequena, mas confortável Sala de Xadrez*, jogavam Pedro com “Seu Davi”.

A situação do Pedro já não era boa mesmo; e por quê não tentar um lance (s) especial? Discretamente, se isso for possível, o Pedro coloca um cavalo com o cotovelo esquerdo para dentro do tabuleiro. “Seu Davi” é inteira concentração naquilo vê –nós vemos aquilo que queremos ver, e em especial no xadrez, isso pode ser terrível! Ele não percebe o que aconteceu. Logo, Pedro move o cavalo e repete o movimento do cotovelo, até então desconhecido no mundo enxadrístico e o tabuleiro já apresenta então quatro cavalos da mesma cor! “Seu Davi” continua sua análise e começa se coçar demais não esboçando motivo aparente, mas parece injuriado de não conseguir ataque numa partida que parecia ir tão bem.

Pedro joga pesado: lance do cotovelo pela terceira vez e o “Seu Davi” não aguentando mais grita: MEU DEUS, MAS COMO ESTES TEUS CAVALOS TÃO JOGANDO!! E a partida continuou por mais alguns lances… para então contarmos porque a partida tinha mudado tão drasticamente de rumo.

Clube Comercial 1992 - Sperb-Ughi Cartana -Eduardo Muller. -Clique para ampliar.

    *A Sala de Xadrez funcionava no Clube Comercial de Santa Maria (RS) e comportava confortavelmente dez mesas acompanhadas por conjunto de peças personalizado quando da Fundação do Clube de Xadrez do município, um armário aéreo  para peças, relógios e acessórios e ainda a Sala era a prova de som e tinha ar-condicionado. Ao lado uma foto escaneada ainda hoje. Pelo meu cabelo deve ser 1992 quando estava no NPOR.

Xadrez e informática usando o linux


Clique para ampliar.

 

Aulas de xadrez na Escola Básica Municipal Coronel Osny Vasconcellos.

Esta escola é que tem o Projeto Xadrez Escolar a mais tempo em São Bento o Sul, desde de 2003 de forma ininterrupta. Atualmente, e nos últimos três anos, é escola municipal número um no IDEB.

Com certeza o xadrez tem contribuído e muito nisso; a propósito, as turmas que fizeram a prova brasil fizeram xadrez por pelo menos 4 anos ou, em alguns casos especificos, 3, 2 e 1 ano.

Em breve trarei dados concretos de outra escola no tocante a desempenho na provinha brasil!

Tática na Defesa Grunfeld –


Mais do que preparação, uma linha como esta apresentada, que só pelo fato de existir é porque alguém já jogou ou vai jogar, seja no impeto de entender que vai se dar bem ou por jogar rápido mesmo.

No final da estória, o fato é que aí esta e pode acontecer com você!

O xequinho "sem propósito", apenas o começo...

No final darei a sequência completa e linear dos lances.

E brancas já "tão se achando"...

Nestes casos a beleza estética das jogadas e a posição a que se chega trazem o xadrez  categoria de “arte”, coisa que passa de forma imperceptível aos leigos,mas nunca, sobretudo ao iniciados!

As brancas se acharam!
Clique para ampliar.

 

O mesmo vale para 2011 – X Circuito de Xadrez Escolar de São Bento do Sul


Clique para ampliar.

Parece que foi “ontem” que meu sonho ser tornou realidade, pois, após oito anos de árduo trabalho e constante inovação, o IX Circuito de Xadrez Escolar de São Bento do Sul demonstra força total em 2010. Este ano, mantivemos a inédita premiação em livros (quase dois mil reais) para as escolas melhor classificadas e implementamos premiação especial para professores/técnicos (quase um mil reais) melhor classificados.

E quanto a auto-estima de nossos filhos? Precisa tudo isso? Precisa contemplar a todos? Ou seria melhor assistir nossos filhos praticando atividades “ditas” educacionais excluídos em função de um formato que privilegia apenas “o melhor”? Pois muitas vezes não somos os pais que correm para abraçar nosso filho após fazer o ponto, ou após a marcação do gol, somos aqueles que tem o árduo trabalho de RESGATAR a AUTO ESTIMA de nossos filhos completamente destruída em momentos como esses.

Relação entre derrota e vitória: Sabemos que no mundo real as coisas funcionam em outra dinâmica, pois não podemos ser bons em tudo, mas são unânimes os especialistas em desenvolvimento da criança que afirmam que o incentivo ensina muito mais que a crítica, e no XADREZ, A DERROTA É TÃO IMPORTANTE QUANTO A VITÓRIA, pois fato de ENSINAR O PROCESSO DE ANÁLISE, permite o APERFEIÇOAMENTO e retroalimentação da MOTIVAÇÃO para TENTAR NOVAMENTE!

Mas afinal o que é “Educacional? Então devemos privar nossos filhos de frustrações? NÃO, certamente não, porém, temos no Xadrez a oportunidade de trabalhar conceitos como respeito, disciplina, persistência, paciência, entre tantos outros. O conceito de atividade educacional significa jogar igualmente um evento todo, sem que ninguém seja desclassificado. A propósito, este ano mantivemos a novidade implementada desde 2005, premiando a participação para todos os alunos que jogam até o final! ISTO É ESPORTE EDUCACIONAL! Faço questão de dizer que no momento da entrega, enfatizo que ninguém ganhou o prêmio de participação, mas sim CONQUISTOU, mantendo-se  firme, jogando independentemente do resultado. Porém, sem banco de reservas, NO XADREZ O JOGADOR É O PROTAGONISTA SEMPRE!

E quanto ao Professor? Sempre acompanhando e estimulando seus alunos, as vezes sem suporte nenhum, mas ficando até o fim dos jogos e fora de seu horário…recebe…ás vezes, muito obrigado e nem sempre uma medalha…Aqui de forma inédita implementamos em 2009 e mantivemos para 2010 prêmio em especial: eletros! Úteis e de longa lembrança para o empenho do Professor que se dedicou mais aos seus alunos e por assim dizer fez jus a colocação obtida e recebe mais que um tapinha nas costas com -parabéns professor! Reconhecer o profissional e valorizá-lo de forma concreta me parece extremamente necessário e coerente, principalmente num meio escolar em que se fala constantemente em melhorar as condições para o aluno e o professor fica de lado e não é lembrado.

E quanto às escolas? E as escolas tão alvejadas de convites para competições escolares que tem que “ser virar nos 30″ junto as APPs para conseguir um uniforme ou mesmo deslocamento? Além das medalhas e fotos recebem o que? É justo dizer que a própria competição em si traz consigo o desenvolvimento na prática de vários valores pregado e desenvolvidos na escola e sociedade e o intercâmbio dos mesmo no meio esportivo é fundamental; mas será que a organização da competição presa estes valores desde a arbitragem e conduta de todos que a envolvem no  momento do planejamento até  a execução? No meu caso, neste evento, digo que sim! Faço em forma de INCLUSÃO. Neste caso especifico até mesmo escolas mais distantes e pequenas sente-se grandes ao enfrentar as ” maiores” e vencê-las, dado a organização no formato de competição que não preteri a ninguém, e sim a participação de TODOS  de forma IGUAL! Reconhecer a escola e enrique-la no processo pelo qual a sociedade espera que ela cumpra, isso é que me move também ao realizar este evento. Premiação em livros? Solução estupenda, nunca é o bastante o acervo de uma biblioteca, nunca o será, não melhor maneira de mostra na prática a parte educacional de um esporte e de um evento ao fazê-lo reconhecendo os melhores com livros!

Quanto a contribuição: Tive chance de trocar idéia com um competente e experiente professor da área, e ao indagá-lo sobre quem ou qual modalidade teria feito isso antes em nossa Cidade, o silêncio veio como resposta de um estrondo “NINGUÉM”. Mas isso não importa, pois minha intenção não foi, não é e nunca vai ser criticar outras modalidades, mas sim  valorizar aquela que possui imensurável contribuição para São Bento do Sul e Região. Inserimos SBS no mapa do Brasil das respeitadas equipes de Xadrez, nossos RESULTADOS falam por si.

Meus dois empates nos JASC de 1996


Duas partidas distintas e com motivos diferentes no empatar.

A posição da esquerda foi da partida com Fontana de Chapecó (brancas) e a posição ficou assim após 45 lances;as brancas precisam repetir a posição ou poderiam lutar pela vitória?

Já posição da direita, jogada com o Haroldo de Joinville (pretas), chegamos a ela após 20 lances. É indiscutivel a vantagem branca, mas consegui empatar no lance 50 e não fiquei satisfeito. Como devem seguir as brancas para fazer valer a vantagem?

Clique para ampliar.

Nos dois casos, brancas jogam.

OLESC e Joguinhos – Novas Idades


Mais uma ceifada, e desta vez na geração que mais sofreu com a mudanças de idade para mais.

Explico: a geração de 1992, 1993 e 1994, em especial, viu ano após ano o aumento progressivo das idades tempo que sempre enfrentar as enxadristas mais velhos e agora ve acontecer o inverso consigo mesmo.

Olesc ao que tudo indica, deverá ficar de 8 a 16 e Joguinhos Abertos de 10 a 18 anos.

O parecer dos Técnicos da modalidade de xadrez acompanhada por sua federação, era de que mantivessemos a idade máxima, para assim não EXCLUIR ninguém e que a minima poderia ser dimunida, afinal traria INCLUSÃO.

O regulamento não foi publicado e as informações são extra-oficiais obtidas diretamente da FESPORTE.

Eu lamento muito a ocorrência da exclusão da geração e 1994 da OLESC e mesmo a de 1992 dos Joguinhos, que foi progressivamente “massacrada” com as alterções de regulamento que no inicio era até 13 anos, depois até 14, depois até 16 e depois até 17, tendo que enfrentar sempre os mais velhos.

Não é a primeira vez que isso acontece e a conclusão dos técnicos é que qualquer idade é boa, o que é ruim é a alteração que gera a EXCLUSÃO!

Qualquer idade seria adequada desde que NUNCA SE ALTERASSE!! Seria bom para os técnicos que possuem um trabalho organizado que geram talentos, mas seria melhor aindam excelente, para a cabeça das crianças e adolescentes que são o futuro do esporte de Santa Catarina e do Brasil.

São muitos os casos de jovens talentos que já desisitiram de jogar devido  situções iguais e analogas a esta.

O esporte perde, os técnicos perdem, os municipios perdem e as crianças/adolescentes perdem mais ainda!

LEIAM O COMENTÁRIO DE UM PAI DE ATLETA QUE ACOMPANHA; É PERFEITO